Quando comecei a estudar o mercado para fazer a certificação da oficina amiga da mulher, estudei um grupo de oficinas em Belo Horizonte e com esse grupo fui entender o que está acontecendo hoje no mercado, porque tem muitas oficinas que são amigas da mulher, e não passam isso para mulheres.

Abaixo listei esses 5 problemas:

1. Dificuldade de cobrar corretamente a mão de obra

No passado ganhava-se dinheiro com a peça e desvalorizava a mão de obra, com o passar do tempo isso foi mudando, agora a média de margem de lucro com peça está em 10%, ou seja, hoje precisa-se ganhar com a mão de obra.

Por isso é preciso cobrar corretamente a mão de obra, senão o faturamento não aumenta, seu negócio não cresce.

Hoje eu vejo que as oficinas que estão tento um retorno favorável no mercado, são aquelas que cobram a mão de obra corretamente, sabendo seus custos e despesas.

Essas oficinas tiram da mão de obra todo o sustento do negócio. Aluguel, água, luz, salários e todas as despesa da oficina são pagas com a mão de obra de serviço.

E o que ganha em peça é um extra para futuros investimentos na empresa, talvez uma retirada de um sócio maior no final do ano.

E agora, como fazer isso??

Faça o levantamento de todos os seus custos, pró-labores dos sócios (salário do dono da oficina), salários, despesas, impostos, aluguel, água, luz e etc.

Divida custos por horas trabalhadas no mês, esse resultado é o valor mínimo da sua hora/homem, nesse cálculo não está considerando os lucros. ok?!

Após saber o valor da hora trabalhada, eu posso fazer o cálculo de margem de lucro, mas esse é um assunto pra outro post…

Dica: 

Tire da sua mão de obra pelo menos o valor para sustentar sua empresa, com todos os custos, o que você ganhar com peças, pouco ou muito, use para reinvestir no seu negócio, como:pintura, equipamento, treinamento e etc. Para que assim ele cresça, podendo, no final do ano, tirar lucro de sócio, sem desfalcar sua oficina. 

2. Separar as contas pessoas das contas da empresa

Para falar sobre esse tema, vou começar com um exemplo de uma oficina que visitei: Oficina de família, pai, filho e mãe.

Os três trabalham na oficina e cada um tem seu pró-labore. Conversando com essa família eu descobri que mesmo com o pró-labore de cada um, as compras e as despesas da casa, quem pagava era a oficina, ou seja, não separa contas pessoais das contas da empresa.

O Correto seria o pró-labore dos 3 (pai, mãe e filho) pagar as despesas de casa.

É preciso separar conta de casa com as contas da empresa, para que você tenha real controle das financias da empresa e pessoal.

Não adianta só sugar da oficina, tento vida confortável, viajando para fora do país com a família, enquanto a oficina não recebe capacitação nova, treinamento para os colaboradores, melhor estrutura, bom trabalho de marketing e etc.

Qual o tipo de oficina você quer ser???

Isso reflete diretamente nos bons clientes no futuro.

É difícil fazer fluxo de caixa, organizar pagamento, rotatividade financeira, mas é necessário, talvez a solução seja uma pessoa mais focada no dinheiro, normalmente essas pessoas são mais centradas, detalhistas quanto aos comprovantes e resultados e é assim que deve ser.

Lembre-se:

Dinheiro é algo sério e deve ser tratado com seriedade, é um recurso finito, a forma que você trabalha com esse recurso vai trazer o resultado de prosperidade.

3. Mão de obra técnica especializada

Muitos donos de oficinas, começaram no negócio porque eram mecânicos e viu uma oportunidade. 

Mecânico antigamente aprendia muito na prática.

Esse conhecimento ia passando de pessoa a pessoa, pouco se estudava, mas com a evolução do automóvel e do produto, passou a ser necessário estudar e é muito importante a percepção de que precisa estudar. 

Mecânicos, é preciso estudar, não tem outra forma hoje de se manter e de crescer numa empresa.

Alguns motivos pela falta da mão de obra especializada: 

  • Cultural do país 
  • Incentivo 
  • Preparação (estudar) 

Donos de oficinas, quando contratar alguém, antes de mais nada, avalie  se essa pessoa vê valor em estudar , buscar conhecimento, se ela está se capacitando, além de deixar claro na comunicação entre vocês, que existe uma troca, que a oficina pode até custear parte de um curso de capacitação que é importante para oficina, mas que é preciso o empenho do contratado.

É preciso criar a cultura de compartilhar o conhecimento, por exemplo, tire pelo menos 1 hora da sua semana para reunião com a equipe, ou treinamento, para esse ser momento de aprendizado e alinhamento em equipe. 

Dica:

Não se contrata mais apenas por indicação, é preciso ver se a pessoa está disposta a aprender, identificar se a pessoa tem a postura que condiz com a postura e diretrizes da empresa, se a pessoa é positiva para trabalhar em equipe, se os valores dessa pessoa esta alinhado com os valores da empresa. 

4.Organização e processos 

Passando nas ruas eu observo que a cada 150 metros tem uma oficina e a maioria que não atrai cliente são oficinas com telhado aberto, chão todo sujo, várias coisas que não consegue identificar.

Isso tudo é falta de organização, limpeza e processo. 

Para ter organização, precisa ter processo. 

Dica:

Fachada que dá pra ler e entender, entrada dos carros com o chão limpo, sem poças de óleo, sem peças e sucatas na porta da oficina, ou visível pro cliente, mecânico limpos, uniformizados.

Parece repetitivo o que venho falando, mas as pessoas vem repetindo as mesmas coisas, deixando as oficinas num padrão muito ruim, sujo e desorganizado.

Tem oficinas que já são oficinas amiga da mulher, pois transmitem confiança, ética, respeito, não roubam os clientes, mas erram na aparência, essas oficinas que não mostram que são assim, que tem essa capacitação, simplesmente por serem desorganizadas.

Hoje se destaca quem se organiza, mantém as peças e ferramentas organizadas, limpeza, placas de identificação.

Tudo isso é questão de bom senso e querer se organizar, lembrando que não precisa de muito dinheiro para se organizar.

Outro problema nesse quesito é a falta de organização para atender as pessoas, oficina cheia de carro desorganizadas no atendimento.

Oficina é projeto, um carro é projeto, começou, termina. 

Chegou vários carro na oficina, se organize, se planeje, comece a criar receita de bolo desde a entrada do cliente até a entrega do carro, se não consegue fazer sozinho, como falamos no item 1, peça ajuda a alguém, você não tem que fazer tudo na sua oficina, só precisa saber delegar as funções e acompanhar. 

5.Saber atender bem o cliente 

Além de cuidar de mecânica, finanças e varias outras coisas, é preciso atender bem o cliente. 

Por mais que você trabalhe com máquina, toda sua tratativa de venda, comercial, seu salário, é com o ser humano, pessoas. E com ser humano não é fácil trabalhar, não são, muitas vezes, previsíveis. 

Pense assim, eu não produzo em massa e por isso não vendo em massa.

Você tem clientes pontuais que você atende, mesmo quando você atende frota, você tem que ter relacionamento com pelo menos 1 pessoa daquela frota, e você precisa atender essa pessoa muito bem. 

O bom atendimento começa na organização, e o conjunto de tudo que falamos vai te trazer condições de melhorar cada vez mais seu negócio, como pintar sua oficina, melhorar o piso, ter uniforme, ter mais equipamentos e ferramentas, investir em  produto que traz conforto para seu cliente, como maquininha de café, sala de recepção e etc.

Acredite, a primeira coisa que o cliente vê é o ambiente, o atendimento. 

Ao abordar um cliente, esteja sempre com um sorriso, disposição, paciência para explicar, quando você explica pro cliente e mostra na prática o problema do carro dele, você passa mais credibilidade.

Tudo isso é desenvolvido e você como dono de oficina e gestor, você precisa ter uma percepção de saber qual a pessoa atende melhor, na abordagem com o cliente e qual a pessoa que é melhor ficar cuidando apenas do carro.

Saber atender bem o cliente é uma habilidade humana que pode ser desenvolvida ou você pode trazer uma pessoa que já tem essa habilidade. 

É preciso respeitar-se como equipe, cada um na sua função e habilidade, pois isso é perceptível ao cliente.

Existem técnicas para atender melhor o cliente, através do estudo das expressões e comportamento físico.

Atender bem o cliente é comunicação, relacionamento, sentimento.

Isso gera fidelização de clientes, a oficina vira parte da historia dele.